segunda-feira, 22 de junho de 2009

Olá Amigos,




é com imensa satisfação que eu posto a 1ª edição do programa de rádio do MCPF.




Sem muitas pretensões, pretendo fazer desse espaço um bate-papo descontraído sobre vários assuntos, regado é claro com muita música de boa e péssima qualidade (no bom sentido).




Nesse primeiro programa vcs vão curtir canções e curiosidades de Pink Floyd, Beatles, Beach Boys, Clube da Esquina, Elvis Costelo e uma do meu amigo Jeffo, cantor e compositor aqui de SBO.




Bom, é isso, sejam bem vindos a mais uma de minhas pirações, espero que gostem e fiquem à vontade para comentar, elogiar, meter o pau.




Até!!!




video

terça-feira, 19 de maio de 2009

CQC

Olá a todos,
Gostaria de parabenizar o pessoal do CQC pela atitude de ontem de não mostrar no TOP FIVE a trombada da Maísa com a câmera no Programa Silvio Santos de domingo.
Se fosse só o fato dela ter trombado, tudo bem, seria mais uma videocassetada na TV de domingo, mas o fato como o Patrão tratou a Pequena Menina foi no mínimo uma falta de respeito com ela e com os telespectadores. Não fosse explorar a desinibição da garota (é isso mesmo, porque talento mesmo ela nem tem idade pra ter ainda) o bastante, o fato deste final de de semana foi além, a expôs vexatoriamente e ainda a pôs em risco de saúde (tá bem, tô exagerando), mas o fato é que ela bateu a cabeça e doeu, e isso foi explorado por alguns minutos pela produção do programa, enquanto o Silvio ria e caçoava, o Roque lá nos bastidores de braço cruzado e a produtora que não sabia se tirava a menina de cena ou deixava a baixaria rolar.
Mais uma página feia na história da TV brasileira. Um alerta para mãe da Maísa: será que vale a pena o cachê?

É isso

quarta-feira, 29 de abril de 2009

Consideraões sobre as FMs

Não sei quanto a vocês, mas pra mim é cada dia mais irritante ouvir as rádios comerciais que mandam suas ondas para nossas casas, carros, portáteis, o que seja.
Me parece que existe uma pasteurização na programação, que piora quando a rádio é segmentada. Muitas das vezes, eles nem trocam o playlist de um dia para o outro, ou seja, todo dia, na mesma hora, você houve a mesma música, não é legal? Em uma semana você decora toda a programação da rádio.
Tem rádio que você pode contar nos dedos o número de artistas diferentes, e volto a repetir, isso piora quando a rádio é segmentada. Não é porque uma emissora é voltada para um determinado tipo de público que ela tem que tocar somente meia dúzia de artistas ou músicas, pelo contrário, ela devia abrir um espaço maior para novos talentos, raridades e informações sobre o segmento que ele procura atingir.
A impressão que dá é que força-se a barra, tentando, muitas vezes, empurrar goela a baixo, alguns artistas pré-moldados para atingir um determinado público - Não, não estou me referindo especificamente a "sertanojo universitário", não que eles não mereçam, mas vemos esse tipo de situação também no rock, na mpb, nos estilos evangélicos (este último merece um post à parte), etc, etc.
Enfim, ouvir rádio hoje passa longe de ser uma experiência prazerosa para ser um exercício de paciência (pra quem tem ainda) , e com a internet ao alcance de boa parte das pessoas, talvez a paciência dos ouvintes um dia acabe, como a minha.

quinta-feira, 23 de abril de 2009

3D

Olá amigos,

há algum tempo estou estudando por conta modelagem e animação em software 3d (mais especificamente o Blender 3d). Depois de umas dez tentativas sem êxito, do tipo "agora vai...e...e...", a última vez eu consegui começar a desvendar o quebra-cabeças desse software indecifrável. Já fiz alguns logos, objetos, animações, por enquanto em caráter experimental. Daqui pra frente gostaria de dividir com vocês as minhas experiências nesse mundo maluco porém, fascinante dessa arte. Postarei também dicas, links e informações interessantes sobre o assunto.

Pra começar, vai um modelo de um monstro, modelado com a ferramenta sculpt mode do Blender 2.48. Posteriormente farei o mapeamento e as divisões de materiais. Críticas e sugestões são benvindas (e asim que se escreve segundo a nova gramática?)



Até


segunda-feira, 30 de março de 2009

A "Falta de Personalidade Universitária"

Chapéu de couro, bota, fivelão no cinto, pois é... Agora ser peão é "da hora".
Letras de baixo nível e duplo sentido, harmonias pobres e manjadas e coreografias ensaiadas, pois é... Agora não pensar é "da hora".
Hoje, "Sertanejo Universitário", ontem "Pagode Universitário", antes de ontem "Forró Universitário" e amanhã... tchan tchan... "Funk Universitário", ou, "Punk Universitário", sim, sim meus amigos, por que não, o que vier veio. O que tocar a gente dança.
Esse é o retrato dos nossos Universitários. Ah, desculpe-me, ia me esquecendo. Tem também o "Bicho Grilo Universitário", e esse pode ser dividido em duas classes, ou, às vezes pode ser um pouco uma, um pouco outra (no caso nem uma, nem outra) que são os "Reagueiros da Paz Universitários" ou os "Revoltados Revolucionários Universitários". Geralmente, esses acabam virando "Universitários Profissionais":
"- Qual sua profissão?"
"- Universitário!"
Tem também os "Nerds Universitários", mas esses, na minha opinião são os que mais tem personalidade, porque não deve ser fácil aguentar a encheção de saco e se manter firme e forte no seu estilo, gostando de RPG, mangá, ficção científca. O mais legal é que, pelo menos uma vez na vida, nem que seja por um dia, o Nerd surta e vira "Cowboy Universitário" ou "Reagueiro da Paz Universitário", ou ainda "Punk Universitário".

Então é o seguinte:
Jovens, ao terminar o colegial, ou o cursinho, escolha seu curso universitário, e junto com ele o seu "Rótulo Universitário", deixe de pensar e construa um país melhor.


É isso.

terça-feira, 17 de março de 2009

Promessa quebrada e/ou a gente é pro que a gente nasce

Neste último fim de semana, quebrei minha promessa de quaresma. Foram 19 dia sem beber nada alcoólico e nada com gás, 2 quilos a menos e um tremendo mau-humor. Cheguei a conclusão de que a gente é pro que a gente nasce mesmo, não podemos lutar contra isso. Talvez na próxima quaresma eu fique sem comer fígado, ou brócolis, ou talvez fique sem ir pra Europa.


P.S.: Já fiz o acerto de contas de mim comigo mesmo e estou com a consciência tranqüila.

quarta-feira, 25 de fevereiro de 2009

Quarta-feira de cinzas

A quarta-feira de cinzas pra mim marca sempre um período de desafio e renúncia. Apesar de não seguir a doutina cristã/católica, durante a quaresma eu sempre renuncio a alguma coisa que eu gosto muito (quase sempre é cerveja). Não por respeito ao costume, nem por tentar fazer uma troca (eu não tomo cerveja e ganho um carro novo), mas por um desafio, eu posso ficar muito bem sem tomar cerveja, ou refrigerante, ou qualquer coisa. E as pessoas perguntam, o que você ganha com isso? Primeiro, satisfação por ter vencido eu mesmo, segundo, quando você se priva de fazer algo que gosta muito, começa a fazer uma reflexão sobre muitas outras coisas, mas, como se tivesse olhando de fora, e terceiro, dou um tempo pro fígado e pro estômago, orgãos, aliás, que tanto judio durante o ano todo...
Ainda que eu não goste de carnaval, acho que essa música tem tudo a ver com hoje
Até a próxima




Marcha da quarta-feira de cinzas
(Vinícius de Moraes/Carlos Lyra)
Acabou nosso carnaval

Ninguém ouve cantar canções

Ninguém passa mais brincando feliz

E nos corações

Saudades e cinzas foi o que restou


Pelas ruas o que se vê

É uma gente que nem se vê

Que nem se sorri, se beija e se abraça

E sai caminhando

Dançando e cantando cantigas de amor


E no entanto é preciso cantar

Mais que nunca é preciso cantar

É preci....so cantar e alegrar a cida.......de


A tristeza que a gente tem

Qualquer dia vai se acabar

Todos vão sorrir, voltou a esperança

É o povo que dança

Contente da vida, feliz a cantar


Porque são tantas coisas azuis

E há tão grandes promessas de luz

Tanto amor para amar

De que agente nem sa.......be


Quem me dera viver pra ver

E brincar outros carnavais

Com a beleza dos velhos carnavais

Que marchas tão lindas

E o povo cantando seu canto de paz

Seu canto de paz

sábado, 14 de fevereiro de 2009

Ziriguidum

Bom amigos, infelizmente, como é inevitável, mais um carnaval vem aí ( e a Globeleza não nos deixa esquecer disso). Quem me vê falando desse jeito não imagina que num passado não muito distante eu realmente gostava desta festa.
Numa época onde carnaval tinha baile no Clube, tocava marchinhas, tinha blocos (aqui em SBO a Máfia, a Rempa do Além, O Estopim, a Tropa de Canaia, a Turma do Bar, o Pato que Pariu e o melhor, ou pior, o Los Baxarias) que competiam durante as quatro noites pra ver quem era melhor, tinha roda no meio do salão e cada um dançava do jeito que queria (e não tinha essa babaquice de coreografia baiana), tinha saidera na adega, enfim, não sei se estou ficando velho mas isso era muito bom.
Hoje o carnaval virou sinônimo de "Axé", ou pior, fazem uma lambança e acabam tocando até o "Créu", que é isso? E o pior que isso é irreversível e vai ladeira abaixo...
É por isso que hoje em dia eu prefiro curtir o carnaval bem longe do carnaval, de preferência, ouvindo o meu bom e velho rock n´roll.
Pra relembrar, uma marchinha e quem souber, posta outra:

"Tiraram o coração da minha sogra,
Botaram um coração de um jacaré
Sabe o que aconteceu
A Véia se mandou e o jacaré morreu
É é é é coitado do jacaré
É é é é coitado do jacaré"

sexta-feira, 23 de janeiro de 2009

Rabugento

Não tenho escrito muito esse mês porque estou muito rabugento. Estou preocupado com meu emprego, com minha conta no banco, com meu carro e com uma laringite aguda causada por refluxo estomacal (acreditem, isso dói pra caramba). Enfim, até tudo isso passar não sei se vou ter pique para pensar em alguma coisa.
P.S> Coitada da Meren